PUBLICAÇÃO

Morfopensenes ou Fomas-pensamentos

07/04/2018

Definição. Morfopensene: 1. formação mental modelada e organizada pela energia e o dinamismo do pensamento (autopensenes), guiada pela vontade e enriquecida pela imaginação da consciência  tanto intrafísica quanto extrafísica. 2. construções extrafísicas pelo pensamento; formação extrafísica das imagens mentais.

Os holopensenes são formados a partir dos morfopensenes. Quando há, por exemplo, um holopensene poderoso e de longo período, estes manifestam formas extrafísicas reais a muitas consciências, porém sendo meros “hologramas”. É por meio da forçapensênica que se formula e se plasma os morfopensenes.

O próprio psicossoma pode ser considerado, de certa forma, um morfopensene devido a sua propriedade de transfiguração comandada pelo mentalsoma. Eis um megapensene trivocabular que define o psicossoma:

Psicossoma: morfopensene mentalsomático.

Eis um paradoxo relacionado a paranatomia do mentalsoma em relação aos morfopensenes: o mentalsoma é o veículo responsável pelas criações mentais e que, no entanto, não possui forma.

Ainda não se sabe qual a fisiologia do cérebro do psicossoma, ou paracérebro, mas supõe-se que esteja baseada em uma matriz de pensenes, holopensenes e morfopensenes que são mantidos pelo fluxo de energias conscienciais.

Os sexopensenes criam morfopensenes diretamente relacionados aos desejos sexuais. Alguns projetores plasmam inconscientemente, inclusive, a forma do próprio psicossoma na aparência do sexo oposto. Constantemente produz-se morfopensenes.

Cada consciência produz, se utiliza e reabastece dos seus próprios pensenes. Quem permanece estagnado, sem fazer a recin constantemente, geralmente fecha-se dentro de um cicloautopensênico sem alterações significativas. O gráfico abaixo ilustra essa condição (podendo ser, inclusive, um monopensene).




Segundo Vieira (2003), eis 11 categorias em que os morfopensenes podem ser classificados, dispostos na ordem funcional.

1.    Consciencialidade. Conscientes ou inconscientes quanto à consciência.
2.    Consolidação. Estáveis (consolidados) ou instáveis (imaturos).
3.    Sanidade. Positivos, sadios e cosmoéticos, ou negativos, doentios e anticosmoéticos.
4.    Consistência. Evanescentes ou consistentes.
5.    Duração. Efêmeros (fugacíssimos) ou quase-permanentes (holopensênicos), em certos casos, exigindo até reurbanizações extrafísicas de bases seculares.
6.    Criatividade. Toscos ou dos pré-serenões, engenhosos ou dos Serenões.
7.    Expressão. Pequenos (por exemplo, os fitopensenes) ou grandiosos (por exemplo, os das Consciexes Livres).
8.    Estrutura. Opacos ou transparentes.
9.    Irradiação. Foscos ou luminosos (irradiantes).
10. Temporalidade. Novos (recém-criados) ou residuais gravitantes (multimilenares).
11. Pensenidade. Automorfopensenes ou heteromorfopensenes.

Eis uma enumeração interdisciplinar, com 21 áreas, em que os morfopensenes devem ser averiguados e estudados com muita relevância, sem contar com as centenas de especialidades conscienciológicas:

1.   Arte.
2.   Engenharia.
3.   Genética.
4.   Heurística.
5.   Hipnologia.
6.   Imagética.
7.   Imagística.
8.   Lingüística.
9.   Matemática.
10. Medicina.
11. Neurologia.
12. Nosologia.
13. Parapsicologia.
14. Psicanálise.
15. Psicologia.
16. Psiquiatria.
17. Sexologia.
18. Simbologia.
19. Sociologia.
20. Tecnologia.
21. Topologia.

Pode-se dizer que o mundo no qual vivemos é “morfopensênico”. Afinal de contas, o que nesse planeta não foi formado pelos pensamentos, executado pelas energias ou pelas mãos do Homem (Homo habilis)? É a lucidez que torna os morfopensenes úteis e assistenciais. Interessante pensar que os parapsicóticos post-mortem são escravos das próprias criações


Este texto traz apenas informações básicas.
Estude! Se aprofunde mais no assunto!
E não acredite em nada. Experimente! 

Por Alexandre Pereira

http://www.dimensaomental.com.br/2016/09/morfopensenes-ou-fomas-pensamentos.html?m=1